A Importância de Diversificar em uma Economia fora do Brasil

Ao olharmos para os próximos meses e anos, existe muita dúvida e incerteza sobre o como os mercados irão reagir. Com toda esta incerteza de como será o cenário futuro, é comum todos terem a mesma dúvida: “onde devo focar meus esforços?”.
 
As economias ocidentais vão aos poucos reabrindo. O Brasil no geral, ainda precisará de alguns dias ou semanas. E para a grande maioria das empresas, ao reabrir, o Brasil irá exigir todos os esforços de cada um para a retomada de seus negócios. 

Também é incerto sobre como será o “novo normal”. Ou seja, onde apostar? Nos negócios algumas tendências estão apontando, como home-office, saúde (prevenção e tratamento) e o crescimento do e-commerce. 

Por sinal, nestes momentos de crise e incerteza, recordo-me de uma das máximas que muito vivi em minha carreira executiva: “coloque o seu esforço naquilo que você pode controlar”. 

Ou seja, por exemplo, não é recomendado ter como maior estratégia de retomada de sua empresa, apostar na retomada do crescimento do Brasil (claro que estamos todos esperando e trabalhando para isso). Até porque o crescimento virá, mas em quanto tempo? E se tivermos uma nova crise política ou econômica no Brasil?

Assim, além de cortar as despesas para se adequar ao novo patamar de vendas, quais as outras alternativas então que uma empresa brasileira tem para sobreviver e principalmente se fortalecer no futuro, contra qualquer nova volatilidade, tão típica de nosso país e de toda a América Latina? 

Uma alternativa que quero apresentar considerando os casos de sucesso que já acompanhei, é investir em um mercado estável como o dos EUA, com uma moeda com mais de 250 anos de existência. Os EUA são com certeza uma oportunidade e alternativa viável para muitas empresas brasileiras, ainda mais neste novo patamar de câmbio, que favorece demais a exportação brasileira. 

Entrar nos EUA é um projeto com retorno a médio-longo prazo, uma economia altamente competitiva. Mas ao mesmo tempo, por ser estável, para aquela empresa brasileira que tenha sucesso nos EUA, terá receita em dólares por muitos anos ou até décadas, e com baixíssima volatilidade – ainda mais se comparado com o Brasil. 

Seria como diversificar investimentos, saindo de uma carteira de 100% em renda variável, para investir parte em renda fixa.

Claro que a princípio, para quem está hoje no Brasil, existem muitas dúvidas para se decidir investir em um projeto fora do Brasil. É comum questões como: como encontrar e apostar em um parceiro de confiança a 7.000 km de distância? Qual o tamanho do investimento? E qual o retorno esperado? Meu produto vai conseguir concorrer nos EUA? Quem vai operar a empresa nos EUA no início da operação, até eu ter um tamanho suficiente para sustentar alguém da minha própria empresa e confiança? 

Para estas questões e muitas outras, existem profissionais qualificados para ajudar as empresas brasileiras que tenham um projeto sério de entrada nos EUA. Profissionais que se dedicam a isto 100%, que o seu sucesso depende do sucesso da empresa, e, portanto, que além da expertise adquirida em anos de trabalho, tem o profissionalismo e seriedade necessários para representar os interesses de uma empresa brasileira nos EUA, e principalmente fazer com que tenha sucesso, ou seja, vendas.
WILLIAM CUSTODIO
Consultor em implementação de estratégias comerciais e produtos no varejo norte-americano
Filiado à ABCO - Associação Brasileira de Consultores - Núcleo USA