ABCO - Associação Brasileira de Consultores

Investir sem planejamento financeiro é investir às cegas!


Deixa eu lhe contar três casos que dão suporte ao título desse texto:

Caso 1: um casal, de alta renda e com muito patrimônio, nos procurou para opinarmos sobre a contratação de um fundo exclusivo para servir de meio para seus planos, que incluíam uma renda mensal ao se aposentarem e uma ótima herança para seus filhos, além obviamente dos benefícios tributários e sucessórios.

Uma vez acordado que o fundo exclusivo era a solução ideal, a questão seguinte foi: qual o perfil de risco para esse fundo? Eles estavam dispostos a alocar boa parte do patrimônio em produtos agressivos, se fosse preciso. Aliás, eles estavam tendenciosos a escolher esses produtos, pois estavam certos de que seria necessário para o alcance de seus objetivos.

Não foi o que o planejamento financeiro apontou.

Após formatarmos os objetivos do casal e dados o saldo de seus ativos financeiros e sua capacidade mensal de investimento, o dimensionamento dos planos mostrou que uma alocação conservadora seria suficiente. Eles não precisariam correr riscos para garantir seus objetivos.

Está gostando do texto? Clique aqui e faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE muito conteúdo sobre finanças pessoais!

Caso 2: um médico nos procurou para elaborar o planejamento financeiro de sua família. Alguns objetivos de curto prazo, mas, prioritariamente, a preocupação com uma vida tranquila após a aposentadoria.

A renda mensal familiar era bem satisfatória. Mais ainda se considerarmos que eles não esbanjavam e, portanto, não gastavam nem a metade dessa renda mensalmente. Os filhos estavam perto de se formar. A filha iria se casar em breve. Não tinham dívidas. Já tinham algum montante em previdência privada.

Nosso planejamento mostrou que, para alcançar os objetivos, uma carteira de títulos públicos seria suficiente. Não havia necessidade de investir em ações ou em fundo moderados ou agressivos.

E assim foi feito. E assim eles vêm investindo. E assim vem dando certo. Mesmo que tenham aparecido oportunidades de investimentos em crédito privado, como CRI, CRA ou debêntures incentivadas com relação risco x retorno bem superior, eles não mudam a estratégia, nem para parte de sua carteira. Afinal, eles sabem que, seguindo pelo planejado, eles terão sucesso.

Isso é o melhor que o planejamento pode lhe entregar: saber que as contas foram feitas e que agora você está seguro no seu caminho os objetivos. Claro que o cenário econômico pode mudar e que o planejamento poderá ser revisado, mas a tranquilidade de ter um norte é uma experiência sem preço.

Caso 3: um profissional liberal nos procurou para apenas montar sua carteira de investimentos. Ele sabia quanto iria investir todo mês e queria o máximo de rentabilidade dentro de sua tolerância a risco.

Começamos a conversar sobre objetivos. Fomos quantificando: quando? Por quanto tempo? Quanto vai custar?

Com poucos minutos de conversa, ele percebeu que seus objetivos eram inalcançáveis. Pelo mesmo na formatação que estávamos dando. Era preciso revê-los. Adiar um ou outro. Era preciso reorganizar seu estilo de vida atual para conseguir investir mais todo mês. Era preciso priorizar despesas, cortar alguns gastos supérfluos.

Ficou claro que ele precisaria de um planejamento financeiro antes de montar a carteira. Além do investimento mensal originalmente definido não ser suficiente para leva-lo aos objetivos, ele tinha outras necessidades e obrigações de curto prazo que o obrigavam a alocar parte da carteira em ativos líquidos, abrindo mão de rentabilidade.

Muitas vezes (ou sempre?), é preciso cuidar do presente antes de pensar em cuidar do futuro. Só o planejamento financeiro vai lhe mostrar as prioridades e a forma correta de conduzi-las. Sem isso, seus esforços podem não ser suficientes. Você pode estar remando na direção errada. Você pode nunca chegar lá.

Gostou do texto? Clique aqui e faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE muito conteúdo sobre finanças pessoais!

Se quiser saber mais sobre nossa forma de investir, acesse https://gestorfp.com.br/consultoria/quero-investir.

Um abraço,

Rodrigo Leone é também Diretor de Empreendedorismo da ABCO

Share Button

Uma resposta para “Investir sem planejamento financeiro é investir às cegas!”

  1. Kelly disse:

    Que post interessante! O uso de “cases” facilitou ainda mais a compreensão.
    É muito importante fazer um planejamento financeiro com o auxílio do profissional especializado porque conhece os riscos envolvidos, os custos e os impactos sobre a rentabilidade.
    Excelente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *