ABCO - Associação Brasileira de Consultores

Devo comprar Bitcoin para minha carteira de investimentos?


Como sempre enfatizamos, sua carteira de investimentos deve visar mais do que retorno máximo. Ela precisa maximizar retorno, respeitando sua tolerância a risco e sua necessidade de liquidez. Posto de outra forma, sua carteira deve balancear risco, retorno e liquidez, optando pela alternativa de melhor custo-benefício.

Além disso, deve mirar nos seus objetivos, levando em conta sua capacidade de investimento, a oferta de produtos financeiros no mercado, os cenários econômicos atual e futuro, estar aberta a ajustes sempre que seus parâmetros ou premissas forma alterados e, principalmente, proteger seu patrimônio.

Para tanto, sua carteira de ativos deve ser bem diversificada, com produtos de investimento, seguros e previdência.

Sobre montar a carteira…

Quando calculamos a rentabilidade necessária para sua carteira, dados seus objetivos e respeitando tudo o que foi dito anteriormente, passamos para a etapa de seleção dos ativos. Nessa etapa, o objetivo é distribuir seus recursos em investimentos que juntos proporcionarão a rentabilidade buscada, sem ferir as limitações e exigências impostas. Ou seja, esse conjunto de produtos (sua carteira de ativos) terá proporções de retorno, risco e liquidez ideais para o alcance de seus objetivos e a proteção de seu patrimônio.

Se, nessa diversificação, for necessário inserir produtos do mercado de ações e de opções, isso será feito. Se não for necessário, não será feito. Ou, pelo menos, não será sugerido fazer.

Se for feito, a diversificação será tal que a proporção agressiva da carteira investimentos não comprometa o resultado da carteira nem em relação à rentabilidade média, nem em relação a horizonte de tempo.

Explicando…

Para que uma carteira de investimentos tenha uma proporção agressiva, é imprescindível que o potencial de ganho extra quanto o potencial de perda extra estejam bem dimensionados, para não interferir no alcance dos objetivos, nem destruir o patrimônio. Posto de outra forma, se a rentabilidade buscada não puder ser alcançada mesmo com oscilações negativas na proporção agressiva da carteira e/ou se não houver horizonte de tempo suficiente para tanto (daí a imposição de objetivos de longo prazo para a existência de produtos agressivos na carteira), não é seguro manter a proporção agressiva no volume que está. É preciso reduzir essa exposição.

E o Bitcoin?

Apesar do Bitcoin estar se valorizando dia após dia, ninguém pode dizer até quando isso vai continuar. Pode ser amanhã, pode ser daqui a uma ano. Trata-se de um mercado não regulado, portanto não invista em Bitcoins apenas para aproveitar essa onda.

Se vai investir em Bitcoin, esteja ciente de que é um produto agressivo e encare-o da forma que explicamos nas linhas acima: diversifique, busque o Bitcoin para potencializar o retorno, mas não deixe o alcance de seus objetivos, nem o patrimônio conquistado, à mercê de uma possível (e potencial) perda nesse investimento. Uma perda aqui é quase que total.

Respondendo à pergunta do título…

Eu não invisto. Se a rentabilidade necessária para o alcance dos meus objetivos exigir uma carteira com parte da retorno dependendo da valorização do Bitcoin, eu prefiro revisar meu planejamento: ou redefino meus objetivos ou me esforço para aumentar minha capacidade de investimento.

Um abraço

Rodrigo Leone*

Gostou do texto? Clique aqui faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE muito conteúdo sobre finanças pessoais!

*Professor, pesquisador e consultor em finanças e métodos quantitativos e Diretor de Empreendedorismo da ABCO

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *